terça-feira, 9 de fevereiro de 2010

Seguro de Risco Político

Seguro para avançar no exterior

Internacionalização de empresas brasileiras abre filão de cobertura de risco político

A internacionalização das empresas brasileiras está abrindo espaço para um novo filão no mercado de seguros: a cobertura de risco político para investimentos no exterior. Conhecido das multinacionais americanas e europeias, esse tipo de seguro, associado a consultoria e programas de mitigação de riscos dos investimentos em outros países, embora incipiente, está no radar de corretoras e seguradoras instaladas no Brasil.

O seguro de risco político indeniza os segurados em caso de perdas por confiscos, desapropriações, guerras e violência política, inconversibilidade da moeda, desinvestimento forçado e descumprimento de contrato por governos. São eventos geralmente associados a países pobres ou em desenvolvimento.

No entanto, o economista e cientista político alemão Keith Martin alerta para riscos também nos países desenvolvidos, os quais empresas brasileiras já estão vivenciando com suas novas filiais. "As pessoas pensam que não há risco em investir nos Estados Unidos, mas há", diz Martin, que acaba de assumir a nova divisão de risco político da consultoria e corretora de seguros Aon Risk Services.

O trabalho da nova divisão da Aon é complementar ao das seguradoras como Coface, Mapfre e Miga (sigla para Multilateral Investment Guarantee Agency), agência de proteção a investimentos ligada ao Banco Mundial. Todas contratam (ou emitem) apólices de seguro de risco político para companhias multinacionais. Nenhuma delas emite este seguro diretamente no Brasil. A Coface e a Sesce o fazem a partir de suas respectivas matrizes na França e na Espanha.

A única seguradora que tem uma carteira de seguros de risco político registrada no Brasil é a espanhola Mapfre. Porém seu serviço foi suspenso no ano passado por causa da crise financeira internacional e não voltará a ser ofertado antes de 2011, afirmou Rogerio Vergara, diretor da Mapfre.

Keith Martin lembra casos como o das siderúrgicas CSN e Gerdau que, ao abrirem filiais nos EUA, enfrentaram duros e inesperados embates com o poderoso sindicato dos mineiros dos EUA e do Canadá, United Steel Workers (USW). Ou da JBS Friboi que, além de problemas com trabalhadores e concorrentes, encontrou resistências de uma comunidade em Louisville, no Kentucky, e foi obrigada a pagar mais de US$ 130 mil a uma comissão municipal para melhorar a paisagem e eliminar o odor de seu abatedouro.

"O seguro protege investimentos, mas também ajuda a obter financiamentos de longo prazo", diz Martin, lembrando que muitos bancos internacionais exigem a cobertura para conceder empréstimos. Porém, casos como o das siderúrgicas e do frigorífico brasileiros exigem mais que seguro: "É necessário um trabalho de relações institucionais, um programa integrado que inclui medidas de segurança e gerenciamento de crises".

Martin, que trabalhou muitos anos na Miga e foi responsável pela área de relações institucionais e análise política da Vale do Rio Doce, diz que os maiores riscos dos investimentos em outros países são "interrupção de negócios, imagem e reputação".

Fonte: Valor Econômico | Finanças | SP

Att.

Patricia Campos

Telefax: (31) 3463-2838 / Cel: (31) 9675-5477
E-mail:
seguros@patriciacamposcorretora.com.br


*Seguro Garantia *Seguro de Vida *Plano de Saúde
*Responsabilidade Civil *Equipamentos *Automóvel

Correios mudam nome e miram mercado internacional

Após carnaval, governo enviará MP ao Congresso para reestruturar ECT, que vai atuar em EUA, Europa e Japão
Chico de Gois e Mônica Tavares

BRASÍLIA. O governo enviará ao Congresso, logo depois do carnaval, uma medida provisória (MP) modernizando e reestruturando a Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos (ECT). O texto também modificará a Lei Postal, editada em 1978. Um dos principais objetivos das mudanças é a internacionalização dos Correios, que vão poder atuar principalmente em países como Estados Unidos, Portugal, Espanha, Inglaterra e Japão, para que os brasileiros que lá residem possam fazer remessas para o Brasil, por exemplo.

A nova empresa se chamará Correios do Brasil S.A. e será uma sociedade anônima, com capital fechado, nos moldes da Empresa Brasil de Comunicação (EBC).

- Esta reestruturação vai permitir que os Correios tenham uma ação mais presente no exterior, principalmente visando à captação das remessas de valores dos brasileiros no exterior, que chegam anualmente a US$ 6 bilhões - afirmou o ministro das Comunicações, Helio Costa, que reuniu-se dia 08/02 com o presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

O ministro disse ainda que os Correios já transferem tecnologia para vários países da América do Sul, entre eles a Argentina, o Chile, o Paraguai e a Colômbia. Com a internacionalização, a troca será mais efetiva.

O objetivo é dar condições de competição aos Correios e, segundo Helio Costa, isto permitirá que o faturamento da empresa aumente em 50% em um prazo entre 18 e 24 meses. A receita anual da ECT é de R$ 12,5 bilhões, atualmente.

- A MP deverá dar aos Correios flexibilidade para que ele possa se modernizar e, certamente, estar em condições de competir principalmente com as empresas estrangeiras do setor - afirmou Costa.

A legislação permitirá ainda que os Correios atuem em outras frentes, entre elas a de prestação de novos serviços.

Um deles é o Correio Híbrido - correio digital -, pelo qual os planos do governo são transformar a ECT em um dos maiores provedores de serviços de internet.

A proposta dos Correios é entrar mais fortemente no setor de comércio eletrônico, que tende a crescer cada vez mais.

Outro ponto previsto nesta mudança é a possibilidade de formação de Parcerias PúblicoPrivadas (PPPs) na área de transporte aéreo e logística dos Correios, entre eles a parte de aviação, com a Rede Postal Noturna (RPN). A RPN movimenta, em média, 650 toneladas por ano de cargas, percorrendo cerca de 47 mil quilômetros diariamente.

Banco Postal deve ser reforçado na nova estrutura Atualmente, quando os Correios fazem os contratos para o transporte, estão limitados a um ano, o que encarece o serviço.

O mercado de leasing de aviões é de cinco anos.

- Para fazer o leasing de um avião, se o prazo é de um ano é um preço. Se são cinco anos, é 30% desse preço - completou o ministro das Comunicações.

Operado hoje pelo Bradesco, o Banco Postal também deverá ser reforçado por estas modificações. Esta associação dá um rendimento de aproximadamente R$ 250 milhões, contou Costa. Mas ressaltou que a ECT quer usar a estrutura para outros negócios, como vender seguros e chips de telefone celular, que hoje não são feitos.

Hoje o Banco Postal tem sete mil agências em todo o país, com 9,2 milhões de contas e uma movimentação de R$ 40 bilhões.

- O que pretendemos fazer é estarmos preparados para uma nova negociação (com o Bradesco) a partir do ano que vem, porque o contrato vigente termina em 2011 - explicou Helio Costa.

O ministro das Comunicações disse que foi feita uma negociação com a Frente Parlamentar da área postal e acredita que não haverá dificuldade na aprovação da medida provisória. O texto também é assinado pelos ministros da Fazenda, Guido Mantega, do Planejamento, Paulo Bernardo, e da Casa Civil, Dilma Rousseff. A medida provisória, lembrou Costa, é resultado de um trabalho de dois anos.

Fonte: O Globo | Economia | RJ

Comentário Patricia Campos:

Sem dúvida nenhuma a reestruturação da ECT vem de encontro com o crescimento do Brasil no mercado nacional e internacional.

No entanto, não posso deixar de ressaltar que um dos pontos desta reestruturação não trará benefícios para os consumidores finais: vender seguros.

A comercialização de seguros é muito mais que uma venda de balcão, realizada por pessoas que não estão preparadas para atender as reais necessidades do Segurado e que, com isto, acabam oferecendo coberturas inadequadas aos riscos expostos.

No dia 01/02, postei uma matéria que tem como título "Seguro só com Corretor de Seguros". Esta matéria vem reforçar a ressalva que faço agora sobre o ponto da reestruturação dos Correios.

Att.

Patricia Campos

Telefax: (31) 3463-2838 / Cel: (31) 9675-5477
E-mail:
seguros@patriciacamposcorretora.com.br


*Seguro Garantia *Seguro de Vida *Plano de Saúde
*Responsabilidade Civil *Equipamentos *Automóvel

Seguro Automóvel - Indenizações de Carros Alagados

Seguradoras atendem 5 mil casos de carros alagados em janeiro em SP

Aumento é de 80% em relação a janeiro de 2009.
Cerca de 2.500 não puderam ser recuperados.

Os quase 50 dias de temporais provocaram um aumento do número de carros considerados perdidos pelas seguradoras. Cerca de 2.500 não puderam ser recuperados. E quando o estrago tem conserto, a conta é de abalar qualquer orçamento.

O conserto de carros atingidos pelas enchentes em uma oficina mecânica aumentou 20% em apenas um mês. E arrumar um carro que ficou debaixo d'água não sai nada barato.

“Hoje, na faixa de R$ 4 mil. Tem retífica, troca de peças, anel, pistão, bomba de óleo, de junta, tudo mais. Tem que se mexer em banco, carpetes, em portas”, disse o mecânico Walter Santos.
Isso sem contar o desespero do motorista, que viveu a situação em várias regiões da cidade. Carros que quase sumiam na água ou cobertos por árvores caídas.

O seguro total cobre danos provocados pelas chuvas e pelos ventos fortes. Em janeiro, as seguradoras atenderam cinco mil casos desse tipo na capital, um aumento de 80%, comparando com janeiro do ano passado. Mas o motorista precisa ficar atento para não perder os direitos de cobertura.

“Em todos os casos aonde a água pegar o veículo está coberto, a seguradora paga. Agora, se ele enfrentar a água, ele for de encontro propositalmente aonde os outros não estão indo, se a seguradora souber, ela não vai pagar esse acidente. E também não deve retirar o veículo do local, porque senão vai parecer que é uma fraude”, afirmou Leôncio Arruda, presidente do Sindicato dos Corretores de Seguros.

Se o preço do conserto ultrapassar 75% do valor do carro, a seguradora considera perda total e aí nem precisa ir para a oficina: o dono recebe outro veículo. Foi o que aconteceu em quase a metade dos casos atendidos de quem tinha seguro e ficou no meio do temporal.

Segundo o Sindicato dos Corretores de Seguros no Estado de São Paulo, tantas ocorrências devem inflacionar o mercado, o que deverá se refletir no aumento do preço do seguro. Se o carro for atingido por uma árvore ou um raio, o seguro também pode ser acionado.

Fonte: G1, com informações do SPTV
Att.

Patricia Campos

Telefax: (31) 3463-2838 / Cel: (31) 9675-5477
E-mail: seguros@patriciacamposcorretora.com.br

Site: www.patriciacamposcorretora.com.br

*Seguro Garantia *Seguro de Vida *Plano de Saúde
*Responsabilidade Civil *Equipamentos *Automóvel

DPVAT - Indenizações pagas em 2009

Região Sul concentrou 38% das indenizações pagas pelo DPVAT em 2009


A região Sul liderou o número de indenizações pagas pelo Dpvat (Seguro Obrigatório) no ano passado. Dos 256.472 pagamentos, 38% eram da região Sul do País. O número corresponde a 97.502 indenizações.

Em segundo lugar no ranking ficou a região Sudeste, que concentrou 29% dos pagamentos, ou 74.376 indenizações. Em terceiro lugar ficou a região Nordeste do País, com 48.729 pagamentos, que correspondem a 19% do total pago no ano passado.

Ao todo, o Dpvat pagou 53.052 indenizações por morte, 118.021 por invalidez e outras 85.399 indenizações por custos de atendimento médico em 2009. O número é quase 5,7% menor que o registrado em 2008, quando 272.003 indenizações foram pagas.

Faixa etária
De acordo com levantamento realizado pela CNM (Confederação Nacional de Municípios), com dados do Dpvat, as pessoas que mais se envolvem em acidentes de trânsito são aquelas que têm idade entre 21 e 30 anos. Elas foram responsáveis por 32% dos acidentes ocorridos no ano passado.

Entre as pessoas que mais morrem no trânsito, aquelas com idade entre 21 e 30 anos representaram grande parte das vítimas (29%).

Considerando o grupo com idade entre 16 e 45, ele representou 67% das mortes ocorridas no trânsito no ano passado.

Valores

No ano passado, foram pagos R$ 829 milhões em sinistros. As despesas com indenizações por invalidez permanente alcançaram os R$ 881 milhões. Considerando as despesas médicas, o montante pago para quitar essas despesas alcançou R$ 98 milhões no ano passado.


Fonte: InfoMoney
Att.

Patricia Campos

Telefax: (31) 3463-2838 / Cel: (31) 9675-5477
E-mail:
seguros@patriciacamposcorretora.com.br


*Seguro Garantia *Seguro de Vida *Plano de Saúde
*Responsabilidade Civil *Equipamentos *Automóvel


A você Mulher Abençoada e Querida por Deus

Neste dia especial, 8 de Março - Dia Internacional das Mulheres, venho lembrar-lhe o quanto ser Mulher é importante para o  Projeto de Cria...