Postagens

Mostrando postagens de Maio 23, 2012

‘Seguro é garantia e não gasto’, diz especialista em finanças na PB

Para ele, o valor segurado é pequeno em relação ao gasto que se teria.
Administrador falou no quadro Bolso Tranquilo, no Bom Dia Paraíba
Seguros devem ser considerados garantias de patrinônio e não gastos para a família. Essa foi uma das dicas que o administrador Guilherme Baía, especialista em finanças, deu no quadro Bolso Tranquilo, na edição desta quinta-feira (17) do Bom Dia Paraíba.
Para Baía, o seguro é importante para famílias que sejam muito dependentes do mantenedor principal da casa. Além disso, ele explicou que o valor segurado é sempre pequeno em relação ao gasto que se teria na hora de se solicitar o serviço.
Segundo ele, os seguros servem para preservar um estilo de vida caso algum evento ruim venha a acontecer. E, para isso, se deve fazer um planejamento financeiro incluindo o valor a ser segurado no caso de contratação de um seguro.
No caso de uma família que tenha um pai, que seria o mantenedor principal da casa, uma mãe que também trabalhe, e dois filhos na faculdade, uma…

Seguro Residencial ganha projeção, mas tem baixa contratação entre os massificados

Classificado como produto massificado, isto é, para venda em grande escala, o seguro Residencial pode ser obtido por um custo baixo pelo consumidor, mas ainda tem peso inferior no número de contratações - quando comparado a proteções como Automóvel, Saúde, Empresarial e Condomínio. Segundo o diretor de Ramos Especiais da Marítima, Claudio Saba, a média de aquisição do seguro residencial no Brasil é de 5%, excetuando-se os grandes centros como São Paulo e Rio de Janeiro, que podem chegar a 8%.
“Embora os levantamentos demonstrem maior projeção do seguro Residencial, o comportamento da carteira se revela homogêneo e precisa de mais incentivos para convencer o consumidor a contratá-lo”, afirma o executivo.
De acordo com o executivo, a resistência acontece em qualquer lugar do mundo. “Em países expostos a fenômenos naturais como os Estados Unidos, por exemplo, pode até haver uma contratação maior, mas existe a ressalva de que são adquiridos porque as pessoas tem medo da consequência dos des…

Previdência cresce 38% e arrecada R$ 5,6 bi em março

O mercado de previdência privada fechou o mês de março com arrecadação de R$ 5,6 bilhões e crescimento de 38,48% na comparação com o mesmo período do ano anterior, segundo comunicado divulgado pela Fenaprevi. De acordo com a entidade, é o melhor resultado para o período desde 2008.
Os recursos acumulados pelos titulares dos planos do sistema de previdência complementar aberta alcançaram saldo de R$ 274,8 bilhões, com alta de 21,56% frente março de 2012. No mesmo mês do ano anterior, as provisões totalizaram R$ 226 bilhões.
O destaque ficou para os planos individuais, com aportes de R$ 4,9 bilhões no mês e avanço de 43,41% na comparação aos R$ 3,4 bilhões arrecadados em março de 2011. Os planos para menores tiveram alta de 12,27% e arrecadação de R$ 155,1 milhões. Já os aportes para os planos empresariais registraram R$ 515,6 milhões, alta de 9,66%.
“A forte expansão na arrecadação no mês de março reflete o comportamento de um maior número de investidores adotando a previdência complement…

Fatores podem alterar os preços do seguro veicular

Modelo e ano do veículo, endereço, idade e sexo do motorista são alguns dos quesitos que influenciam o preço
O contrato do seguro veicular não é fechado de forma unânime a todos os clientes. Na verdade, pode-se considerar que se trata de um estudo de estatísticas, que envolvem as características do proprietário, da sua família e dos locais por onde circula.
"A seguradora que consegue cruzar melhor as informações e estatísticas é a que cobra de maneira mais justa e correta", apresenta o presidente da Associação dos Corretores de Seguros do Estado do Ceará (Ascor), Leniebson Rocha.
Pelo fato da negociação estar cada vez mais técnica, segundo ele, é importante cada vez mais a figura do corretor no fechamento de contrato. "O cliente precisa dessa assessoria pessoal e o corretor é treinado para fazer essa consultoria", explica.
Para elaborar o valor adequado por motorista é analisado alguns itens, como o modelo do veículo e a finalidade do seu uso, podendo ser profissional …

Agenda da Felicidade

O Sorriso

É o cartão de visita das pessoas saudáveis. Distribua-o gentilmente.


O Diálogo
É a ponte que liga as duas margens, do eu ao tu. Transmite-o bastante.


O Amor
É a melhor música na partitura da vida.
Sem ele, você será um ( a ) eterno ( a ) desafinado ( a ).


A Bondade
É a flor mais atraente do jardim de um coração bem cultivado.
Plante estas flores.


A Alegria
É o perfume gratificante, fruto do dever cumprido.
Esbanje-o, o mundo precisa dele.


A Paz na Consciência
É o melhor travesseiro para o sono da tranquilidade.
Viva em paz consigo mesmo.


A Fé
É a bússola certa para os navios errantes, incertos, buscando as
praias da eternidade. Utilize-a sempre.


A Esperança
É o vento bom empurrando as velas do nosso barco.


Chame-o para dentro do seu cotidiano.


Que Deus cubra de bençãos sua vida, sua família e seus projetos.


Abraço fraterno.



Patricia Campos


Telefax: (31) 3463-2838 / Cel: (31) 9675-5477
E-mail: seguros@patriciacamposcorretora.com.br
Site: www.patriciacamposcorretora.com.br


*Seguro Garantia *Seguro de V…

Contratos entre operadoras de saúde e prestadores podem ter percentual prefixado

Os critérios de reajuste dos contratos entre as operadoras de planos de saúde e os prestadores de serviços médico-hospitalares e laboratoriais foram definidos na última sexta-feira (18) pela ANS, por meio da Instrução Normativa nº 49. O objetivo dessa regulamentação é dar mais clareza aos contratos e detalhar como serão feitos os reajustes.
Em seu artigo 4º, a Instrução Normativa 49 estabelece quatro critérios para que as partes possam escolher um deles, que deverá constar do contrato, servindo de parâmetro para o reajuste. De acordo com a norma, os contratos poderão ter um índice vigente e de conhecimento público; um percentual prefixado; variação pecuniária positiva (valor nominal em moeda corrente) ou alguma fórmula de cálculo acordada entre contratante e contratado.
“Considero que este seja um grande passo da ANS na busca por um setor mais harmonioso e profissionalizado, no qual os contratos sirvam efetivamente como ferramenta de gestão dos negócios”, afirmou o diretor de Desenvolvi…

Por que a cobra morde o rabo

Há poucas semanas abordei o tema dos planos de saúde privados, tomando como gancho a paralisação dos médicos em protesto pelos baixos honorários que lhes são pagos. No artigo, busquei mostrar a perversidade do sistema de saúde brasileiro e explicar por que os planos não podem pagar mais – apesar dos médicos estarem corretos quanto à afirmação de que são sub-remunerados.
Agora recebo uma ajuda de peso, vinda de um relatório sobre um levantamento da Organização Mundial da Saúde (OMS), publicado no Estado do dia 16 de maio. De acordo com ele, o Brasil, em termos de gastos com saúde pública, está no mesmo patamar dos países africanos. Quer dizer, ser a sexta economia do mundo não interferiu positivamente na melhora da saúde pública nacional. Ainda que o relatório aponte um aumento dos gastos do governo, o País está muito atrás da realidade dos países desenvolvidos, seja nos total investido (ou no investimento por habitante), ou pela participação do governo para o pagamento da conta.
De acor…

“Novo” Cade deverá aumentar fiscalização sobre mercado de seguros

Em 2011 houve alteração do sistema brasileiro de defesa da concorrência, com a criação do “novo” Cade – o órgão terá como atribuições a análise e o julgamento de fusões e aquisições, as ações de prevenção e de repressão às infrações contra a ordem econômica. Atualmente, ainda está em vigor a lei anterior, já que a nova lei antitruste brasileira (nº 12.529/11, que reformula o Sistema Brasileiro de Defesa da Concorrência – SBDC) entrará em vigor apenas no próximo dia 29 de maio.
Para o advogado Fábio Ramos, do escritório KLA – Koury Lopes Advogados, com o mercado de seguros ganhando cada vez mais destaque no cenário econômico brasileiro, o órgão deverá ficar mais atento ao setor. Uma possível dúvida é sobre como será a atuação do órgão, já que cabe à Susep fiscalizar o mercado de seguros. “Um exemplo do movimento de maior fiscalização do mercado de seguros é a parceria entre o Banco do Brasil e o grupo Mapfre, aprovada com restrições pelo Cade, que exigiu que a Mapfre se desfizesse da ca…

Seguro pirata deixa prejuízo para cliente

Entidades vendem seguros com preços 50% menores, mas não têm registro ou fiscalização dos órgãos responsáveis. Além disso, não pagam as indenizações por sinistros
Elas não têm bandeira preta içada, nem papagaio no ombro, mas são conhecidas como piratas no mercado de seguros. Nos últimos três anos, associações e cooperativas surgiram com ofertas de cobertura barata para automóveis leves e até caminhões. A promessa é de mensalidades até 50% menores que a média do setor. O problema é que deixam na mão os consumidores na hora em que mais precisam: a de pagar as indenizações por sinistros. Atuam na ilegalidade, pois não são fiscalizadas por nenhum órgão, diferentemente das verdadeiras seguradoras, que são reguladas pela Superintendência de Seguros Privados (Susep). E já há casos de sonegação de imposto e evasão de divisas investigados pela Receita Federal do Brasil.
O presidente do Sindicato das Seguradoras no Norte e Nordeste (Sindseg N/NE), Múcio Novaes, alertou para o fato desse mercado p…